Reciclagem: um ato de Amor à Natureza!
Simples galeria de imagens

  Seja bem-vindo à      

Ipiranga Reciclagem.
 
 
 
 
  Início
    Empresa
    Serviços
    Reciclagem
    Vídeos
    Fale Conosco
 
 
 

      Lixo orgânico e baterias são os mais tóxicos

      Material orgânico e baterias são os maiores problemas para o meio ambiente, se considerados apenas os detritos residenciais levados aos aterros por caminhões de lixo. “Todo lixo é contaminante, inclusive a matéria orgânica. O material putrefato forma um líquido altamente contaminante para o subsolo, o chorume”, explica o gerente de usinas do Sistema de Limpeza Urbana do Distrito Federal, Pedro Luiz Rennor.

      Ele afirma que esses compostos orgânicos devem ser reciclados rapidamente. “Se não foi feito um trabalho de compactação de lixo, a contaminação é rápida. Aqui em Brasília a gente transforma 20% do lixo orgânico em adubo". Segundo ele, também que as pilhas e baterias são grandes poluentes dos solos e lençóis freáticos, por causa dos metais pesados.

      A cidade que mais produz lixo no Brasil é São Paulo (SP). De acordo com o diretor de operações Afranes Zucon, que trabalha em uma das duas concessionárias de limpeza urbana do município, são 12 toneladas de lixo por dia e 60% desse total é só de lixo orgânico.

      “Uma das coisas que são inadequadas são baterias e pilhas, por exemplo, que podem contaminar os solos. Precisaria haver uma divulgação maior para dizer que isso não deve ser feito e também é necessário que haja mais pontos de recolhimento desse material que o encaminha para fábricas de reciclagem”.

      Mesmo assim, não se deve esquecer o material reciclável, pois ele demora até séculos para se decompor. “Se na cidade não houver coleta seletiva, a pessoa pode procurar algum ponto coletivo de entrega voluntária. Assim não estaríamos descartando materiais que estariam levando muitos anos para se decompor”, explica Zucon. “Se o cidadão pudesse separar todo seu lixo seria o ideal. Para que se aproveite o material orgânico nas usinas”.

      Mas, segundo o assessor técnico da Diretoria Indústrial da Companhia Municipal de Limpeza Urbana (Comlurb) do Rio de Janeiro, José Henrique Penido, se o aterro sanitário for construído de acordo com a legislação, as chances de contaminação diminuem significativamente. “Um aterro, para ser completamente sanitário e evitar contaminações, tem que ter uma impermeabilização, ter a captação de chorume de gases. Isso tudo forma um conjunto que protege solos, rios, lençóis freáticos e a atmosfera”.

      “Nós temos que estar preocupados com o lixão, que é um terreno qualquer para jogar o lixo indiscriminadamente e sem nenhuma proteção anterior. Isso gera problema ambientais graves e a população vai ser exposta a muitas doenças e a explosões”, acrescenta Penido.

Fonte: Da Agência Brasil  /  http://www.pernambuco.com/ultimas
 

 
 
  2013 Todos direitos reservados. msbrasil.com